Recomendações para se comunicar com seus pacientes remotamente

Embora os Latino-americanos tenham sido privados de muitos aspectos de sua vida normal durante a COVID-19, eles certamente podem permanecer conectados a seus profissionais de saúde. Na verdade, os pacientes querem falar com os médicos – e se comunicar com seus pacientes, não apenas fortalece a sua relação com eles com o passar do tempo, mas pode também inspirá-los a buscar tratamentos necessários que, caso contrário, eles poderiam recusar. 

Conhecendo a importância dos cuidados contínuos, Ipsos Argentina S.A, em pesquisa encomendada pela J&J, entrevistou 2.200 pessoas, homens e mulheres maiores de 18 anos, residentes de Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e México, conectados à Internet. Estas são as descobertas mais relevantes:

  • Cerca de um quinto dos americanos entrevistados (17%) diz que receber uma ligação pessoal de seu médico os deixaria mais confiantes para buscar uma opção de cirurgia ou procedimento médico durante a COVID-19.1
  • 57% dos latino-americanos pesquisados afirmam que se sentiriam confortáveis usando os serviços de telemedicina como forma de gerenciar suas consultas médicas 1
  • 65% dos latino-americanos pesquisados afirmam que gostariam de receber informações sobre os protocolos específicos adotados por seu centro de saúde para a COVID-19, para se sentirem mais seguros ao retomar o tratamento ou a cirurgia.

Agora, mais do que nunca, a comunicação é a chave para o tratamento. Independentemente do meio (chamada telefônica, chat, e-mail) os princípios a seguir da Academia Americana de Médicos de Família podem ajudar você a se comunicar de forma eficaz com os pacientes e ajudá-los a proteger sua saúde e continuar seus cuidados ao longo da pandemia. 

Close up of a senior woman consulting with her doctor in the office

Conecte-se:

  • Sorria. Quando você liga para um paciente, respirar fundo e sorrir pode ajudar você – mesmo se eles não podem ver você.2
  • Concorde. Fale sobre a COVID-19. Convide seu paciente a compartilhar suas frustrações, medos ou preocupações.2

Compreenda:

  • Defina a agenda com seu paciente. Exatamente como com uma visita no consultório, leve seu paciente a priorizar suas questões e preocupações de saúde.2
  • Repita. A estratégia de repetir o que foi dito é vital para garantir que você entende seu paciente, e que ele entende suas recomendações.

Eduque:

  • Seja breve e memorável. Conversas educativas ao telefone ou em consultas virtuais devem ser breves. Faça perguntas ao paciente para ajudá-los a entender e a lembrar as informações.2
  • Seja um recurso. Ofereça materiais educativos de fontes confiáveis sobre a importância de lavar as mãos, do distanciamento físico ou sobre o uso da máscara.2

Empodere:

  • Enfatize. Lembre ao paciente que ele pode ligar para você a qualquer momento com perguntas ou preocupações sobre a COVID-19.2
  • Dê continuidade.  Deixe claro para o paciente que ele pode fazer o acompanhamento através do portal, e ajude-o a gerenciar seu perfil de saúde online.2

Rreferências

1.Pesquisa de saúde conduzida pela Ipsos Argentina S.A encomendada pela Johnson & Johnson Medical Devices Companies. Sobre a pesquisa: esta pesquisa foi realizada online entre homens e mulheres com mais de 18 anos de idade, residentes na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e México, de níveis socioeconômicos alto, médio e baixo, conectados à Internet . Esta pesquisa online não é baseada em uma amostra probabilística e, portanto, nenhuma estimativa de erro amostral teórico pode ser calculada. Fatores de ponderação foram aplicados. 
2.American Academy of Family Physicians. “10 communication tips for physician phone visits during COVID-19.” Acessado em 1º de setembro de 2020. Disponível em: https://www.aafp.org/journals/fpm/blogs/inpractice/entry/telephone_visit_tips_2.html

149470-200811