Estudos Comprovam Eficiência Da Cirurgia Bariátrica para Controle Da Hipertensão Arterial e do Diabetes em Pacientes Obesos

Hero Image

Resultados das pesquisas GATEWAY e STAMPEDE mostram como cerca de um terço da população mundial pode se beneficiar da intervenção cirúrgica

A cirurgia bariátrica reduz ou elimina a necessidade de medicamentos para controle da hipertensão arterial na maioria dos pacientes com obesidade, muitas vezes no prazo de um mês. Este foi o principal achado da pesquisa intitulada GATEWAY*, desenvolvida e coordenada pelo HCor (Hospital do Coração) e financiada pela Ethicon**, da Johnson & Johnson Medical Devices***. Os resultados do estudo foram apresentados no Congresso da American Heart Association, em Anaheim, Califórnia, e publicados simultaneamente no jornal Circulation, uma das principais publicações científicas do mundo.

No prazo de 30 dias após a cirurgia, 83,7% dos pacientes submetidos à cirurgia de redução de estômago bypass gástrico mantiveram o controle da pressão arterial (140/90 mm Hg) com redução de ao menos 30% dos medicamentos e, dentro de um ano, mais da metade (51%) mostrou remissão e não necessitou de medicamento algum. Já dentre o grupo que utilizou outras terapias médicas para controle da hipertensão, somente 12,8% das pessoas puderam reduzir o uso de medicamentos para hipertensão em 30%. Além disso, nenhum dos pacientes que utilizaram apenas fármacos conseguiu ter remissão da doença nos 12 meses de teste. Os pacientes cirúrgicos perderam 29% de seu peso corporal, em comparação com perda de peso de menos de 1% para o grupo de terapia médica isolada. Houve uma melhora significativa no perfil lipídico, bem como redução de risco cardiovascular no grupo cirúrgico.

“O Gateway reforça nosso conhecimento científico sobre a ação benéfica da cirurgia bariátrica nas doenças que compõem a síndrome metabólica, como diabetes e hipertensão. Os cardiologistas poderão ter mais uma opção para tratamento de pacientes obesos e hipertensos, principalmente os de mais difícil controle”, afirma o cirurgião bariátrico Carlos Schiavon, responsável pelo estudo.

A pesquisa acompanhou 100 pacientes com idades entre 18 e 65 anos com hipertensão e um índice de massa corporal (IMC) na faixa de 30 a 39,9 kg/m2, que estavam sendo tratados com pelo menos dois medicamentos anti-hipertensivos em doses máximas, ou mais de dois medicamentos em doses moderadas. Aleatoriamente designados para serem submetidos à cirurgia de bypass gástrico ou para continuar com seus tratamentos atuais com anti-hipertensivos, os pacientes foram acompanhados por um ano e continuarão sendo monitorados por até cinco anos.

Cerca de um terço dos pacientes submetidos ao bypass gástrico (33%) tiveram sua pressão sanguínea normalizada para menos de 120 mm Hg, e 69% deles obtiveram esse resultado sem medicação. Um pouco mais de um quarto (26%) do grupo de terapia médica alcançou isso com uma média de 2,8 medicamentos por paciente. De acordo com o ensaio pioneiro Systolic Blood Pressure Intervention Trial (SPRINT) – ou Ensaio Clínico de Intervenção na Pressão Arterial Sistólica –, a pressão sanguínea reduzida a esse nível diminui ainda mais o risco de morte e de eventos cardiovasculares quando comparada aos alvos de pressão sanguínea convencionais [i].

A obesidade e a hipertensão são fatores de risco para a doença cardiovascular e podem causar o acidente vascular cerebral (AVC) [ii]. Quando alguém apresenta ambos, o risco de mortalidade cardiovascular dobra [iii]. “A Ethicon está engajada em um esforço de contínuo e com investimento de milhões de dólares para combater a obesidade por meio do desenvolvimento de produtos e serviços que otimizem a saúde e a recuperação dos pacientes. Temos a certeza de que estamos contribuindo para gerar cada vez mais valor e tecnologias de ponta para trazer à população mais saúde e soluções integradas para o combate de doenças”, afirma Fabricio Campolina, diretor-geral da Ethicon Brasil.

Bariátrica é a melhor solução para controle de diabetes em pacientes obesos, aponta estudo STAMPEDE

Para pacientes obesos (IMC≥27) com diabetes tipo 2, a cirurgia bariátrica e metabólica com terapia médica intensiva é a melhor opção de tratamento a longo prazo, de acordo com o estudo conhecido como STAMPEDE. Os resultados estão descritos no artigo "Cirurgia Bariátrica versus Terapia Médica Intensiva para Diabetes – Resultados de 5 anos", publicado no New England Journal of Medicine (NEJM) [vii].

O estudo randomizou 150 pacientes com diabetes tipo 2 e excesso de peso para tratamento médico intensivo, cirurgia de bypass gástrico ou cirurgia de sleeve – também conhecida pela realização de um “grampeamento” no estômago. O status do peso desses pacientes cobriu uma larga extensão, com voluntários desde IMC igual a 27 quanto em pessoas com IMC de 43.

Após cinco anos, somente 5% dos pacientes com tratamento medicamentoso intensivo tinham o seu diabetes sob controle. Já entre as pessoas que realizaram a cirurgia de sleeve, esse número chegou a 23%. Entre os pacientes de bypass gástrico, 29% tiveram o seu diabetes sob controle após os mesmos cinco anos.

O artigo concluiu que os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica e metabólica experimentaram uma melhoria sustentada no controle glicêmico com menos medicamentos para o diabetes.

Fatos sobre obesidade e cirurgia bariátrica

O número de pessoas obesas em todo o mundo mais do que dobrou entre 1980 e 2014. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 1,9 bilhão de adultos tinham excesso de peso em 2014. Deste grupo, mais de 600 milhões são obesas [iv]. Os dados sugerem que a cirurgia bariátrica tem melhores resultados na perda de peso do que qualquer outra opção de tratamento para aqueles com obesidade grave [v]. Segundo indicadores do Ministério da Saúde [vi], nos últimos 10 anos a prevalência da obesidade no Brasil aumentou em 60%, passando de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016. O excesso de peso também subiu de 42,6% para 53,8% no período.

Sobre a Ethicon

Da criação das primeiras suturas à revolucionária cirurgia com procedimentos minimamente invasivos, a Ethicon, parte da Johnson & Johnson Medical Devices, faz contribuições significativas para a cirurgia por mais de 60 anos. Nossa dedicação contínua para sendo definir o futuro da cirurgia com base em nosso compromisso de ajudar a tratar as questões mais urgentes de assistência médica do mundo, melhorando e salvando mais vidas. Por meio das tecnologias e soluções cirúrgicas da Ethicon, incluindo suturas, grampeadores, dispositivos de energia e hemostatos, além de nosso compromisso para tratar doenças graves como a obesidade e o câncer em todo o mundo, fornecemos inovação para prover um impacto de mudança de vida.

CONTATO PARA A IMPRENSA

cdn logo

Guilherme Torrezani – (11) 3643-2814 / [email protected]
Rannielly Almeida – (11) 3643-2753 /[email protected]
Luana Raggio – (11) 3643-2821 / [email protected]

* GATEWAY (Gastric bypass to Treat obEse patients With steAdy hYpertension) - (bypass gástrico para tratar pacientes obesos com hipertensão constante)
**A Ethicon representa os produtos e serviços da Ethicon, Inc., Ethicon Endo-Surgery, LLC e algumas de suas afiliadas.
***A The Johnson & Johnson Medical Devices Companies inclui os negócios de cirurgia, ortopedia e cardiovasculares dentro do segmento Johnson & Johnson’s Medical Devices (J&J Dispositivos Médicos).


[ii] Mozaffarian D, et al. em nome do American Heart Association Statistics Committee (Comitê de Estatísticas Americano da Associação do Coração) e do Stroke Statistics Subcommittee (Subcomitê de Estatísticas de Acidente Vascular Cerebral). Estatísticas de doença cardíaca e de acidente vascular cerebral — atualização de 2015: relatório da American Heart Association [publicado online antes da impressão em 17 de dezembro de 2014]. Circulation. doi: 10.1161/CIR.0000000000000152. Acessado de http://circ.ahajournals.org/content/131/4/e29

[iii] Emelia J. Benjamin, et al. Em nome do American Heart Association Statistics Committee e do Stroke Statistics Subcommittee. Estatísticas de doença cardíaca e de acidente vascular cerebral — atualização de 2017: Um relatório da American Heart Association. Publicado em 25 de janeiro de 2017. Circulation. 2017;135:e146-e603 http://circ.ahajournals.org/content/135/10/e146

[iv] http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/

[v] Kaplan LM, et al. Bariátrica- Times. 2012;9(9 suppl C):C12_C13